Conheça o quadro da educação infantil brasileira

Apesar de extremamente importante, a educação infantil ainda não é vista como prioridade em muitos estados brasileiros. Em 2015, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), apenas 25% das crianças menores de 4 anos frequentavam a creche ou a pré-escola.

Esse número reflete bem um problema usual em várias cidades do Brasil: a falta de vagas na pré-escola e em creches. Além desse, ainda existem outros problemas enfrentados na educação infantil. Quer saber mais? Continue a leitura!

Educação infantil: principais problemas

Não é de hoje que a educação dos mais novos é colocada em segundo plano pelas políticas educacionais. Como esse é um setor que deve ser mantido pelos municípios, muitas cidades sofrem com a falta de verba, que costuma ser bem menor do que à destinada para outras séries, como fundamental e médio.

E isso tem um motivo: geralmente as vagas nas creches e pré-escolas públicas é majoritariamente destinada às classes média e baixa, já que, nesses estratos sociais, a maioria dos pais conta com longas jornadas de trabalho.

Enquanto as classes mais ricas podem pagar por escolas particulares, os mais pobres sofrem com a falta de vagas e um ensino deficitário, já que as verbas costumam ser insuficientes.

Outro problema é o despreparo de muitos educadores, também fruto de um orçamento público reduzido. Assim, com salários mais baixos e poucos atrativos, os professores mais preparados acabam buscando vagas melhores no ensino privado.

A importância da educação nos primeiros anos

Outro motivo que faz com que os recursos destinados à educação na primeira infância sejam escassos é o entendimento de que: ela não é importante e não é necessária mão de obra especializada para lidar com as crianças.

Essas duas prerrogativas não são verdadeiras. Até os 6 anos de idade, a criança que recebe uma educação formal consegue desenvolver melhor vários aspectos, como físicos, intelectuais, psicológicos e sociais.

O educador é o responsável por construir os alicerces de todo o processo de aprendizagem e de socialização dessa criança, para que a sua experiência escolar seja proveitosa e também para que ela venha a se tornar um cidadão consciente e uma pessoa sociável.

Na primeira infância é justamente quando desenvolvemos nossa identidade e também a nossa estrutura física, intelectual e sócio-afetiva. Por isso, contar com um desenvolvimento e uma orientação adequados é extremamente importante, não apenas para aprendermos a ler ou fazer cálculos, mas para nos tornarmos seres humanos melhores, mais críticos, empáticos e atuantes.

Como ajudar a melhorar a educação infantil?

Garantir que mais crianças tenham acesso a uma educação de qualidade deveria ser uma preocupação de todos. Porém, sabemos que nem sempre essa é a realidade.

Famílias carentes e sem condições de pagar por uma escola privada, acabam muitas vezes deixando seus filhos com pessoas despreparadas para conseguir cumprir a jornada de trabalho. Outra realidade são os mais velhos que acabam deixando a escola para cuidar dos irmãos mais novos, o que cria um ciclo de evasão escolar e de falta de acesso à educação em toda a família.

Para resolver essa situação, existem muitos programas que merecem destaque. Um deles é o apadrinhamento financeiro. Organizações sociais sérias, como é o caso do ChildFund Brasil, disponibilizam em seu site histórias das crianças atendidas pelos projetos e dão a oportunidade de o doador escolher uma delas para apadrinhar.

Dessa maneira, com doações mensais mínimas de R$ 57, é possível ajudar mais crianças a terem acesso à educação, reduzir os níveis de evasão escolar e garantir que elas tenham oportunidade de se desenvolverem plenamente.

Para se ter uma ideia, a cada ano de estudo existe um aumento médio de 15% no salário do trabalhador. Isso significa que a educação é capaz de modificar a realidade dessas pessoas, quebrando o ciclo de pobreza e de evasão escolar.

Gostou de saber mais sobre a situação da educação infantil no Brasil – e de entender como você pode ajudar a modificar esse quadro? Aproveite e compartilhe essas informações com os seus amigos nas suas redes sociais!

Quais são os benefícios da leitura?

Ler, além de ser extremamente relaxante para algumas pessoas, ainda pode trazer muitas vantagens a saúde do seu cérebro. Entre os inúmeros benefícios da leitura estão o estímulo a criatividade, a imaginação, a expansão do vocabulário e do conhecimento – fazendo com que o leitor consiga viajar para mundos variados sem sair do lugar.

Justamente por tudo isso é que a leitura deveria ser cada vez mais valorizada. A falta de tempo e a rotina agitada acabam sendo desculpas de muitas pessoas. Mas a verdade é que a tecnologia tem nos condicionado a lermos cada vez menos – e a prestarmos ainda menos atenção no pouco que lemos.

Se você quer modificar esse quadro, continue lendo este post e veja quais são os benefícios da leitura – e porque você deveria aumentar o número de livros na sua casa!

1- Estimula o cérebro
Para que nosso cérebro funcione como deveria é primordial que exista estímulo constante. Passar horas em frente à TV, recebendo informações de modo passivo, é algo muito ruim para o nosso cérebro, uma vez que ele não é desafiado e não precisa pensar para fazer as analogias básicas.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade Emory, dos Estados Unidos, ler faz com que o nosso cérebro acredite que realmente tenha vivenciado aquelas experiências.

Além disso, quem lê frequentemente tem menos chance de sofrer com a velhice, que costuma reduzir o funcionamento do cérebro, protegendo-o contra doenças como o mal de Alzheimer, além de ajudar na hora de obter novos conhecimentos, como o aprendizado de uma língua estrangeira.

2- Melhora a sua criatividade
Além de cuidar da saúde do seu cérebro, o aumento da criatividade também é um dos benefícios da leitura. Afinal, temos que colocar a criatividade para funcionar dando rosto aos personagens, imaginando os cenários e criando a história dentro da nossa cabeça.

Quem quer “turbinar” esse benefício pode dar preferência a livros com épocas ou realidades muito distantes da nossa, como os romances de época ou os livros de fantasia, fazendo com que a sua mente tenha que, praticamente, criar um mundo novo.

3- Aumenta o senso crítico
Pessoas mais críticas são extremamente importantes na sociedade, porque conseguem debater ideias e pensar em soluções mais diferenciadas e profundas. Questionar o modo de vida, a sociedade, a economia, a política e diversos outros pontos somente é possível se você tiver uma boa bagagem cultural – e isso significa também uma boa dose de leitura.

Quando a literatura nos insere em outras épocas, países e culturas, acabamos fazendo reflexões diferenciadas e as quais certamente não faríamos se ficássemos presos apenas a nossa realidade.

Ler pode abrir a sua mente e também lhe tornar mais empático, se colocando no lugar do outro antes de tirar conclusões precipitadas, ajudando você a se tornar uma pessoa melhor.

4- Amplia o seu vocabulário
Um vocabulário mais amplo é primordial para escrevermos e falarmos melhor, nos comunicando de maneira mais assertiva. Esse também é um dos benefícios da leitura, afinal você terá muito mais contato com palavras completamente diferentes e inusitadas – distintas das que você costuma usar no seu dia a dia ou das que são usadas pelas pessoas com as quais você se relaciona.

Além de todos esses benefícios, a leitura ainda: reduz o estresse, melhora a sua memória, faz com que você escreva melhor, aumenta a sua empatia, reduz o preconceito e ajuda você a se tornar uma pessoa mais interessante e com mais assuntos.

Você gostou de saber sobre os benefícios da leitura? Então compartilhe este post com os seus amigos nas suas redes sociais e ajude-os a se tornarem leitores mais habituais!